Últimas notícias

Liga Brasileira de Polo Aquático é lançada em São Paulo (SP)

11/01/2017 - 15:59 - Autor: PAB

A Liga Brasileira de Polo Aquático (PAB) realizou nesta sexta-feira (25), em São Paulo (SP), uma apresentação oficial para a imprensa, onde divulgou a nova entidade desportiva que congrega os principais clubes da modalidade no país, entre eles: Associação Brasileira a Hebraica (SP), Clube Jundiaiense, de Jundiaí (SP), Clube Internacional de Regatas, de Santos (SP), Clube de Regatas Flamengo (RJ), Fluminense Football Club (RJ), Club Athlético Paulistano (SP), Esporte Clube Pinheiros (SP), Tijuca Tênis Clube (RJ), Clube Paineiras do Morumbi (SP) e SESI (SP).

eduardo-v-da-cunha-01

Na oportunidade, o vice-presidente da PAB, Eduardo V. da Cunha, explicou sobre os objetivos da entidade para os próximos anos e o motivo da saída da CBDA pelos clubes. “A Liga é um movimento que foi criado no ano passado com a insatisfação dos clubes com o desenvolvimento do esporte. Tentamos, em reuniões com a entidade solicitar alguns pontos que entendíamos que deveriam melhorar. Todavia, nenhum dos pontos foi seguido pela Confederação neste ano”, relata Cunha.

Além do vice-presidente da PAB, estavam presentes ao lançamento, o técnico da equipe do Sesi, André Avalonne e os atletas olímpico:s Tony Azevedo e Rudá Franco (Sesi) e Felipe Santos (Pinheiros). “Acredito que vivemos uma nova era para o esporte no país. A união dos clubes e atletas só deve gerar resultados positivos para o polo brasileiro”, enfatiza Tony Azevedo, que atua pela seleção norte americana de polo aquático, além de ser presidente da Associação Mundial de Atletas Aquáticos.

Neste ano a PAB já realizou competições em cinco categorias: sub-13, sub-15, sub-17, sub-19 e adulto. “A entidade foi criada para ajudar no aprimoramento da gestão nacional da modalidade, com base em ética, transparência e planejamento participativo, por meio de diversas ações socioeducativas, além da organização de competição de alto rendimento que priorizem o fomento da modalidade e estimule os jovens para a prática do polo aquático”, justifica Avallone.